PontesVolume 8Número 8 • dezembro de 2012

Linha de chegada ou ponto de partida?


Discuss this articleShare your views with other visitors, and read what they have to say

Uma das principais polêmicas de 2012, o debate acerca do Código Florestal deverá seguir por muito tempo. Engana-se, porém, quem considera que o tortuoso processo para a aprovação da nova legislação ocupará o centro das discussões. É provável que a controvérsia se mantenha viva nos próximos anos, com uma intensa comparação entre os benefícios e as desvantagens derivadas do novo Código. Trata-se de um exercício dos mais complexos; afinal, estamos diante de um desafio cujos condicionantes se inter-relacionam de inúmeras formas. Aproximar os ideais da preservação ambiental e da exploração econômica do território brasileiro representa uma tarefa hercúlea, sendo necessário reconhecer que, não raramente, mais do que promover um alinhamento, a sociedade terá que manifestar suas preferências.

Tendo em vista a complexidade do tema, faz-se necessária a promoção de debates capazes de ampliar as perspectivas daqueles que se interessam pelo significado e impacto do Código Florestal. A edição do Pontes que chega até você, prezado(a) leitor(a), oferece distintos pontos de vista para as mesmas questões: qual o significado da reforma do Código Florestal? Quais deverão ser as suas principais consequências? Ademais, as posições sustentadas nos artigos assinados por Laura Antoniazzi, Roberto Smeraldi e Karen Windham-Bellord são indicativos da complexidade do tema. Merecem destaque, por exemplo, dois pontos que, embora abordados indiretamente, lançam as sementes para futuras discussões no Pontes: existe uma tensão latente entre os sinais oferecidos pelo mercado – incentivos à ação econômica dos indivíduos – e as restrições impostas pelo novo Código? Que tipo de relação haveria entre tais dimensões?

Não apenas de Código Florestal, porém, trata este número do Pontes. A presente edição guarda espaço para apresentar análises sobre outros dois temas que ocuparam as capas dos jornais em 2012. O editorial desta edição discute os principais resultados – ou a falta deles – obtidos pelos negociadores presentes na Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC, sigla em inglês), realizada em Doha. Finalmente, Vinicio Meza descreve a importância da Ásia para a Parceria Trans-Pacífico (TPP, sigla em inglês), iniciativa comercial que deverá ocupar um espaço crescente no cenário internacional ao longo da próxima década. O autor aponta, ainda, para algumas possibilidades de articulação política dos países latino-americanos diante desse contexto.

Este número do Pontes, como de costume, começa com inúmeras perguntas. Não poderia ser distinto; em seu novo formato, a publicação deseja aprofundar a sua vocação de promotora de debates relevantes nas áreas de comércio e desenvolvimento sustentável. Parte fundamental de qualquer discussão, você, nosso(a) leitor(a), é o protagonista desse esforço. Por isso, gostaríamos de convidá-lo(a) a comentar as notícias publicadas no site do Pontes. Caso queira escrever-nos um e-mail, o endereço é [email protected].

Esperamos que aprecie a leitura.

A Equipe Pontes

Add a comment

Enter your details and a comment below, then click Submit Comment. We’ll review and publish the best comments.

required

required

optional